Entrevista com Contra Mestra Jana

Contra Mestra Jana

 

 

 

Janaina Crivelli Erheim, Cm Jana, ela è o sorriso da capoeira, quando ela joga, toca o canta… sempre esta sorrindo!

Aluna do Mestre Suassuna e criadora da marca de roupa de capoeira Folha seca de roupa de Capoeira chegou em Munique para passar um pouco dessa arte e conhecer essa nova cultura. Sem esquecer os seus parceiros de treino ela é um exemplo de treino duro e de viver a Capoeira. A arte de jogar sorrindo!

 

Entrevista com Contra Mestra Jana

Qual é seu nome real?

Meu nome é Janaina, Janaina Crivelli Ehrlein e na capoeira é Jana.

Quando começou na Capoeira?

Comecei no 15 de Abril de 99.

Porqué começou na Capoeira?

Eu tinha visto uma vez na Bahia quando eu tinha 13 anos de idade num show, mas eu era muito nova e não tinha capoeira perto da minha casa.
Eu mudei de casa e um dia eu tava andando na rua e vi que a dois quarteroes da minha casa tinha capoeira. Eu subi, era uma quinta-feira, o Mestre Suassuna tava lá e eu falei: oi eu queria fazer uma aula e ele respondeu, se quiser pode fazer agora. Eu fiz a aula, o makulele, a roda, fiz tudo, e fiquei!

Quem é o seu Mestre?

Mestre Suassuna, sempre foi.

Como foi treinar na Matriz da Cordão de Ouro?

É dificil, quando a gente é novo de capoeira a gente não tem noção. Eu comecei felizmente com Mestre Suassuna mas eu não sambia quem que era, para mim era um sinhor que tava alí, em verdade quem dava aula era o Mestre Tourinho. O Mestre Suassuna sempre deu a aula da quinta-feira e para os avançados. Mestre Boca tava lá, tinha aula deles, e como eu era nova e começava com o Tourinho.
Demorou um tempo para o mestre me chamar para treinar separado.
Era dificil, porque por ser a academia do Mestre Suassuna, a academia principal onde ele ficava, muitas pessoas rodavam, as rodas eram sempre mais dificeis, as aulas sempre mais duras. Não sei se mais que em outros lugares mas eram muito. Não tinha muita mulher, então foi muito legal, muito bom que eu começei lá mas dificil.

O que significa para você a turma, como é que foi criar essa turma da capoeira?

Eu passei por turmas, afinidades diferentes, momentos né? De treino como não tinha muita mulher eu treinei sempre muito com o Kibe que era aluno e o Ivan. Eles eram os meus companheiros de treino, mas amigos o Boca desde o começo. Ele era o meu vizinho de casa, e a gente gostava das mesmas musicas, das mesmas coisas… o Mentirinha, o Habibis, eu tinha que eram da minha idade que é diferente da idade do Mestre Kibe o do Mestre Ivan. Eu tinha a minha turma de treino que não era necessariamente a turma com quem eu saia. Eu saia com os meninos mais velhos, a minha turma de samba, de outras vivencias, o meu primeiro amigo foi o Mestre Boca e a turma que veio no combo, né!
Da turma do treino eu passei por fases porque e eu treinava muito com o Ivan e com o Kibe e eles creceron, eles já tinham um tempo de capoeira um pouco a mais que o meu. O meu parceiro ficou o Ivan, a gente sempre foi até hoje além de amigos, parceiros.
Eu fiquei um tempo fora da capoeira por causa do joelho e do trabalho, quando eu voltei aí era outra turma. Eles já tavam no outro nível, viajando para caramba, entrou uma outra turma que foi a turma que eu me formei. A Joyce, a Grazi ,que não treinava com a gente mas a gente se encontrava. A Mari, a minha super amiga ela esta na primeira turma do Boca. As turmas é dificil porque são diferentes as do treino e as com quem eu saia.

Como foi o processo de sair do Brasil e dar aula de capoeira em Alemanha que é completamente diferente: a gente, a cultura, o clima..?

Na verdade eu não pensei muito, se a gente pensa muito acho que a gente não faz algumas coisas. Quando eu tava no Brasil, a minha formaçao foi educaçao artistica, eu fiz arte e desenho. Meu trabalho sempre foi outra coisa, a Capoeira era o meu hobby. Mas eu treinava cada dia. Eu nunca tinha pensado em dar aula, foram surgindo algumas coisas que me fizeram pensar. Primeiro foi a formatura, eu falei para o Mestre que eu não podia ser professora se não dou aula. Então se você quiser da aula, da, porque que vou te formar (falou o Mestre Suassuna). E junto disso a mulher do Passarinho engravidou e ele não podia mais dar as aulas dele e ele passou para mim. Comecei a dar aula mas eu trabalhava em outras coisas, com a marca folha seca, foi o mesmo ano que eu comecei a trabalhar com roupa de capoeira, o desenho de capoeira. Eu queria ligar o que era a minha profissao com uma coisa voltada para a capoeira.
Ai o Primo me trouxe uma vez com o Mestre Suassuna para o evento dele e quando eu vi todas as mulheres, tipo tinha o 80% o assim, um 70% de mulheres, falei nossa… eu preciso vir e dar aula aquí. Eu voltei para o Brasil e eu sabia que a família do meu namorado é alemã, mais eu não sabia que ele tinha nacido em alemanha, e foi muito bom porque eu queria muito ter a oportunidade de viajar em Europa, dar aula para mulheres e ver como é que era. E ele falou, bom eu sou alemão a gente casa e vai!
O pai dele morava em alemanha e agente falou, vamos tentar. A gente vai e fica um ano para ver se da, porque não da pra saber antes se vai dar. Ele começou trabalhar e eu comecei a dar só aula de capoeira depois de umos seis meses.
É muito louco porque é outra cultura, você tem que aprender a cultura e também passar a cultura do Brasil, equilibrar, mas está sendo uma experiencia muito legal. Você vai construindo du zero o grupo, a história da capoeira alí.

Como é viver lonje do seu Mestre?

É dificil, porque principalmente eu que nunca pensei em dar aula, eu sempre tive um olhar de aluna. Eu acho quando uma pessoa quer do começo fazer isso já começa diferente, o modo que você presta atençao na aula, você presta atençao em como ele da aula, você já começa a dar aula.. eu queria ser aluna. Eu tive que mudar todo o pensamento tanto para dar aula como para treinar sozinha agora. Eu treinei muito sozinha e acho que isso ajudou muito. A academia do Mestre Suassuna fica aberta sempre, e em muitos momentos da minha vida eu trabalhava em horarios loucos que não batiam com os horarios da aula normal e para mim foi sempre muito comum ir para a academia, eu sozinha, treinar e voltar. Não foi tão dificil porque eu tinha esse costume de fazer treino sozinha, mas sempre tinha alguém para falar, ou o Mestre ou os amigos que tavam ali.
A família, os amigos e o mestre acho que é a parte mais dificil de ficar fora mesmo, porque você é só você. Você tem que fazer acontecer, tem que treinar tem que dar aula, se você não faz ninguém vai fazer por você o ninguém vai mandar você fazer.

Qual seria a sua dica para essa pessoa que esta começando na capoeira?

O basico é treinar né?! Eu não vou repetir o que é obvio. Treinar! O que eu falo para os meus alunos, porque a capoeira ela é muito complexa se a gente parar para pensar, na roda em si, tem instrumentos, tem o canto, tem o coro tem a palma, você que asistir, você quer pensar, na hora de jogar também… e eu acho que a gente tem que ter paciencia. Ao mesmo tempo que ela é dificil ela é simples, não e porque você só sabe fazer uma meia lua de frente e uma queixada, que você não pode jogar, não pode se divertir e você não pode aprender, ensinar também… então, eu sinto que eu, até hoje eu tenho isso, é muita informaçao e a gente quer aprender muito e geralmente você quer tudo naquele tempo. Tempo da informatica,né?! E não da para ser agora, porque você tem que entender o que é a capoeira. Você precisa ir aos poucos. Claro que se você gostou e quer treinar todo o dia dá muito legal, faz diferencia uma vez por semana, duas o todos os dias. Mas eu acho que curtir o pouco que você sabe, eu gosto de usar a palavra vivencia. Porque a gente tem que viver a capoeira para entender, e para viver a capoeira você não precisa jogar só. Eu conheço gente que é muito capoeirista que não faz necessariamente a capoeira, mas está todo o dia lá com o mestre, conversa, e que vai e que toca.
É viver a capoeira, e para esso precisa de tempo. Curte o que você aprendeu, quer aprender mais, mas vive isso.

Deixe uma resposta